quarta-feira, 29 de julho de 2015

Só Tu



Queima-me o fogo da espera
De um sol que ainda não nasceu.
Nos raios exaltados do Amor
adormeço
como a borboleta sedente de Luz.
E as folhas verdes da minha fantasia 
caem murchas no chão da utopia.
Pelas margens da loucura
eu navego 
numa nau de ilusões
prelúdio da sinfonia incompleta 
que sempre quis compor.
Adormeço nas dobras da aurora
que revisita os meus dias
nas horas insensatas 
em que só Tu vives em mim.

Elisabete Aguiar

Sem comentários:

Enviar um comentário