domingo, 27 de outubro de 2013

I See Love



Vejo-a novamente, muito perto do chão.
Toma consciência. 
É levada a ter sangue frio.
Tranquilidade e tempo.
A época não ajuda.
A ajuda vem com o primeiro passo do esforço.
Escoriações não muito profundas
Com serenidade as escoriações são tratadas.
Ela é uma vencedora, na guerra das estrelas
Se bem com colagens constantes.
Desistir não pode, tem um compromisso de honra
Verga mas não parte
A esperança não morre, por mais que ... esvazie 
É uma menina encantadora, encanta sem ter noção
Ganha todas as batalhas, pelo simples compromisso de honra.
Dias que sobrevive, dias que vive.
Poderia até dizer-se que é uma menina de ouro 
A meu ver, ela é minha irmã, somos gémeas
Eu bem que a puxo para a terra
Ela quer ganhar pela emoção
Eu disse-lhe ...- Só ganhas substâncias adiposas
- Mais razão, menos emoção, eu disse-lhe
Mas ela teima e sabe que eu tenho razão
Não desisto dela nunca, é minha irmã.
Tenho orgulho nela, na sua força de vontade
Se bem que ela não vê o valor que tem
Hoje ela tem pelo menos consciência que 
a força vem do cérebro e não do corpo físico
nem do corpo das emoções. 
É o corpo mental que rege a vida, para ser bem vivida.
É amorosa. Ganha raivas mas, não odeia.
Ainda assim sabe o quanto atrapalha as raivas.
E ela já é uma atrapalhada, ausenta-se do seu foco, por nada.
Assim é ela, a minha mana as suas faculdades, dificuldades. Uma guerreira.
Ama o amor romântico e sabe que está errada e isso só por si, trás-lhe uma grande carga.
Podia falar aqui nela como quem fala de Joana d'arc, Napoleão Bonaparte, Marquês de Pombal.
Apeteceu-me falar dela e naqueles três amigos, não me perguntem porque.
A salvação ..., ela vê AMOR em muito ... onde põe os olhos. 

Flor Ferrão